Conhecer para empreender

Um dia de aula diferente em meio à natureza e a produção orgânica de hortaliças. Essa foi a experiência dos alunos do ensino médio integral da EEB Cordilheira Alta na propriedade da família Comin, em Águas Frias, nesta quarta-feira (09). O projeto de produção orgânica de hortaliças desenvolvido na área é acompanhado pelo SOS Sustentar desde o ano de 2014.

A professora Luciane Bittarello destaca que os alunos estão realizando um projeto de pesquisa em três áreas onde uma delas é empreendedorismo sustentável, através do tema “Os impasses entre a preservação do meio ambiente e desenvolvimento econômico”. “O objetivo da visita é fazer com que os alunos entendam que é possível produzir em equilíbrio com o meio ambiente. É uma troca de experiência com a família que trabalha há anos na atividade”, destaca Luciane.

Estilo de Vida

 Os produtores, Eliandro e Clarinês, apresentaram aos alunos a experiência que possuem na área de hortaliças orgânicas, o dia a dia da atividade e também a importância do equilíbrio entre o meio ambiente e a produção. “Desde 2012 quando iniciamos a atividade focada na produção orgânica temos uma grande evolução, um exemplo é na comercialização onde antes era porta a porta, hoje temos mais de 10 pontos comerciais com a marca Vale dos Ipês”, destaca Eliandro. A área total da propriedade é de 7,7 hectares, destes 1,5 hectares é destinado a agrofloresta e o restante para produção. Além de canteiros externos, a família construiu 12 estufas para produção dos alimentos.

O sistema de produção empregado é o plantio direto, utilizando adubo orgânico com cobertura morta (palhada de grama). A função da cobertura é proteger a planta das gotas de água da irrigação, conservação do solo da erosão, controle da umidade, além de evitar o contato das folhas com o solo, garantindo um produto limpo na hora da colheita. Atualmente, a família produz 15 itens de hortaliças, mas o carro-chefe é o tomate.

Agrofloresta

 A agrofloresta preserva a área de reserva legal, além de aproveitar o espaço para cultivar espécies de árvores frutíferas para consumo, contribuindo com a fauna e com a diversidade arbórea. Na área, encontram-se mais de 50 espécies de árvores nativas, além do local já ter recebido animais ameaçados de extinção, a exemplo do tatu mulita.

Os alunos responsáveis sobre o tema de desenvolvimento sustentável, Maisa Possa, Paloma Berte, Letícia Morelato, Willian Ebert, Victor Orso e Larissa Vilani, destacaram que com a visita, além da experiência relatada pelos produtores, tiveram a certeza de que é possível empreender respeitando o meio ambiente, pensando na saúde das pessoas e da natureza.

Compartilhe nas redes sociais